Memórias / Vermelho Alfa – Capítulo 1

O silêncio, é tranquilizador…mas a mente, inquietante..pede memórias, se avolumam..

As memórias, do branco, papel, folha de oficio, ou nem mesmo isso, mas basta ter um espaço, vazio, e um lápis…

…para magnetizar minhas mãos e fisgar minha imaginação.

Minhas mãos se movimentam suavemente, às vezes até mais intensamente, no espaço do papel.

Um respingo de água suja cai,bem em cima do papel…

Em seguida o cheiro forte de terra molhada.

Finalmente ouço a chuva forte cair sobre o telhado velho de onde moro.

Quer dizer parece, isso, mas no momento não tenho tanta certeza, porque parece tão escuro..e ao mesmo tempo, tranquilo e…frio.

A vontade de relaxar, e só dormir…é constante.

Mas minha memória, parece não se conformar em ficar parada, ela quer reavivar meus outros membros… do meu corpo.

Mais especificamente, minhas mãos.

Eu me pergunto pra quê isso agora, deixa o papel e lápis ai….

Está tão bom assim, sem ninguém  pro perto…incomodando, pedindo nada, te interrompendo a toda hora..tirando sua concentração..

Ao mesmo tempo em que sinto o cheiro da terra molhada, sinto uma espécie de gosto..meio neutro, estranho…

Meus olhos parecem bem abertos pra mim, não que eu me incomode com esse tom vermelho, meio esquisito, da minha… visão?!

Ouço minha mãe dizer que devia desenhar em outro lugar, as goteiras do telhado estão molhando os papéis e consequentemente borrando minhas ilustrações.

Embora ela adorasse me lembrar, quando se irritava comigo, que era só papel, e que eu devia escrever mais invés de fazer tantos rabiscos esquisitos e sem sentido no papel.

No espelho do banheiro, me percebi, contemplando um rosto, jovial..meio inocente, e curioso, nesse momento, minha mente, ativou minha mão, e o papel que logo estava na pia, foi preenchido…

O vermelho do batom de minha mãe estava bem forte, quando ela sorriu pra mim, e soltou um comentário elogioso, até um beijo na bochecha eu ganhei, antes dela sair pra comprar coisas pro Armarinho.

Bocas, olhos, bochechas, orelhas,.cabelo, um rosto…completo…desenhando rostos.

Um não, muitos rostos, muitos movimentos de mãos sobre o papel em branco, muitos desenhos, muitos rostos desenhados, muitos rostos sorrindo, alguns nem tanto.

Ao lado de amigos estudantes, professores, faculdade, evento, pessoas, muitas delas, pedindo coisas, ilustrações… eu estava muito nervoso, preocupado, além do mais, nem Jesus agradou a todos, não é?

Quero voltar a tranquilidade, do silêncio,aconchegado no frio, na quase inexistência, fechar os olhos…mas, já não estão fechados?

memórias

Três garotas, muito bonitas, jovens, acho que todas eram adolescentes, muito sorridentes, esbeltas, encorpadas, estão me pedindo pra desenha-las, todas…juntas?

Pronto,acabou minha tranquilidade, preocupado, nervoso.

Minhas mãos suavam muito, nunca fiz isso, não dessa forma, não com tanta gente, não com tantos olhares ao mesmo tempo, não nesse local…

Apesar de ver muitos sorrisos, a pressão era nítida, mas meus olhos, minha mente, eles combinaram algo com minhas mãos..e só percebi no final.

Alegria, todas felizes, recebi até umas notas de 10 reais, por cabeça! (  ou minha mente está me pregando uma peça?).

Todas as três juntas, desenhadas, num único papel, reunidas, e satisfeitas, muito satisfeitas, que sensação estranha de…relaxamento e alegria,ao menos pra mim, era estranha.

Nem parecem com o senhor dono de empresa que achou muito caro o valor de minhas ilustrações.

Já que, para o senhor, eu deveria receber, de acordo com a lei da minha profissão ( eu tenho uma?…é legalizada?),70 reais por dia de trabalho,o que equivale a…hum…oito horas?

70 é o valor que eu cobrava por  cada….ilustração,( Na verdade é 100, se precisar de um acabamento com cores.),absurdo né?…afinal, o que são uns rabiscos no papel?

Eu fiz, ou faço…não lembro exatamente, mas já criei projetos gráficos, ilustrações, voltados a livros.

Acho que foram muitos, alguns infantis, alguns da área da saúde, pouco importava..

Esse senhor queria me pagar o valor de uma ilustração que faço em menos de duas horas, por um dia inteiro de trabalho, quantas ilustrações eu poderia fazer em oito horas, quatro, cinco..?

Em seguida, o cheiro forte de terra molhada.

A vontade de relaxar, e só dormir…o frio…o aconchego.

Espere, eles de novo, os sorrisos, olhares das três garotas, me trazem, satisfação, tranquilidade, da onde tirei a ideia estapafúrdia, de lembrar desse dono de empresa?

Dinheiro, é isso, pra sobreviver numa sociedade capitalista, você não deve jamais questionar, essas coisas, aceite.

Para sobreviver, se você quer comer, se vestir, ir ao cinema, ir pras festas, aceite, quem liga pra rabiscos que você faz no papel?…sua mãe, família, amigos..você?..

Pronto, acabou a tranquilidade, de novo.

Volta, volta… fecha os olhos, isso, silêncio…

memórias..

Cheiro de terra molhada, chuva forte, friozinho gostoso, confortável, sem vozes, sem olhares, só você e o silêncio…

Meus olhos parecem bem abertos pra mim, e minha visão parece… parece, meio turva, agora…

E um respingo da chuva, caiu sobre meu rosto…

E o cheiro da terra molhada..voltou..

A vontade de relaxar, e só dormir… é constante.

Mas minha mente, parece não se conformar em ficar parada, inquieta… ela quer insistir com meus outros membros…do meu corpo, mais especificamente, minhas mãos.

La vem mais pessoas, mais pedidos, mais solicitações, tudo bem, vou desenhar, agradeço o apoio, o incentivo, sempre começa assim, sorriso, elogios.

Mas sério…vou receber algum dinheiro pelo meu serviço artístico, ou só por ele ser artístico, eu deveria estar satisfeito com o sorriso e reconhecimento?

memórias

A vontade de relaxar e dormir..voltou… e a chuva, continua caindo…forte..

Cheiro de terra molhada, me tranquiliza…

…mas, e minha mente, minhas memórias, vão… se aquietar?

FIM DO CAPÍTULO 1