Cactus

Quadrinhos, ah sempre um prazer fazê-los, e quando você é pago então?…

Obviamente alguém deve estar se perguntando “ Ele faz tudo isso por amor a arte, mas esse tempo todo, mas será que já conseguiu, ser pago por algum quadrinho feito?”.

Bem é inevitável, depois de anos, um questionamento como esse surgir na mente, não seria vergonha alguma dizer que “muito pouco”, afinal de contas, não moro num estado,ou porquê não dizer, país, onde os quadrinhos tem uma ampla gama de interessados em produções de artistas brasileiras, nessa categoria, ainda mais, na época, dava pra contar a dedo, os “dispostos”.

Sim, o quadro atualmente mudou muito, indiscutivelmente, ( acredito que devido aos efeitos da globalização, e a popularização de categorias do entretenimento pop, como os quadrinhos, em inúmeras mídias, dentre outras.) até porque, temos agora, escolas, cursos, especializando profissionais na área, ainda que somente em grandes estados, e basicamente quem tem poder aquisitivo considerável, consegue ter acesso a isso ( consulte os valores e veja por si só…).

Mas e o nordeste?…mais especificamente em Sergipe, no estado onde moro? pois é, aqui nós temos poucas, quase nulas, alternativas, mas por incrível que possa parecer, dessas poucas que vinheram a surgir, consegui receber uns “trocados” pelo meu trabalho artístico.

Como já comentei anteriormente, que lá nos anos 90, entre meus 12 a 14 anos, produzia várias Hq’s, nessa época, com o apoio de vizinhos e amigos, conseguimos vender oficialmente gibis artesanais, em nosso bairro.

Os personagens escolhidos foram Jaspion e Changeman,( conveniente, até porque produções desse tipo, estavam no auge na tv, e pra nós, era um prazer inenarravel.)

Nossas hq’s tinham pouco menos de 10 páginas, coloridas inclusive, e levávamos num carrinho de mão ( sim, acredite.), passávamos nas ruas e como se estivéssemos numa feira, vendendo alguma verdura ou fruta,( sim, mentalidade de “feirante”kkk!), gritávamos bem alto, “Quadrinhos do Jaspion e Changeman!!..sim, direto da TV,pra vc!”kkkk!…e não é que apareceram duas pessoas, nas ruas aqui do bairro, que compraram edições?

O valor, não lembro exatamente, era irrisório, mas deu pra dividir pra toda a equipe,( uns 5 jovens moleques!), pense na satisfação?…e todos conseguiram comprar seus doces e chocolates aos montes, diria até uma bola, para exercitarmos nossa outra paixão, futebol na rua, o popular na época, “golzinho”, pra que mais?

Com o tempo, deixamos isso de lado, e acreditávamos ser só uma “fase”, ninguém vive de quadrinhos no Nordeste, na época ao menos. Mas antes dos meus 30, comecei até a vender algumas ilustrações rápidas, e ao entrar na faculdade,( já citei ela alguma vez, meu ponto de referência artística.), conheci uma moça num ponto de ônibus, que se dizia preocupada com um projeto, eis que o dito cujo era construir uma Hq, de uma página com um texto pronto, me prontifiquei na hora, fiz num oficio, colori no photoshop ( minha primeira vez, oficialmente, colorindo algo..digitalmente…) e ela imprimiu depois numa cartolina, não é,até que ficou legalzinho?

Quadrinhos

Após isso, a vida aconteceu e cheguei até a acreditar que finalmente estava no caminho certo, ao entrar na FUNESA ( empresa onde produzi muito, para livros.) mas é claro que tudo que é bom, dura pouco…muito pouco. Houve uma atividade dentro de um deles para ilustrar um quadrinho sobre ética. O texto pronto, eu tive que elaborar toda a estrutura do quadrinho e criar graficamente os personagens, após os esboços e o processo de  aprovação da editora, finalizei mais uma vez, no photoshop, a colorização e as formas geométricas inseridas, para balões e quadrinhos.

quadrinhos

Quadrinho sobre “Ética”feito para o setor da ETSUS, FUNESA. maiores detalhes no site.: http://convertendo-texto-em-ilustracao.webnode.com/

Nesse mesmo período, conheci uma pessoa, através de colegas da faculdade que tentava lançar sua obra, o autor Almirante Bernardes. Ele me contratou para ilustrar um quadrinho de uma história derivada de seu livro, tinha planos de ampliar o projeto que tinha, e acreditava que sua história poderia atingir outras mídias, parecia bastante promissor e em se tratando de Sergipe, no mínimo, arriscado.Mas  como se não bastassem os entraves naturais, aconteceram eventos, problemas de saúde,  e financeiros que refrearam esse projeto, e impossibilitaram o término da obra, mas mesmo assim, após algum tempo, recuperamos a ideia e voltamos a produzi-lo recentemente, e é claro, recebi por cada página ilustrada.

Quadrinhos

Obra adaptada do conto de Almirante Bernardes, “O Universo”,com minhas ilustrações e pintura digital de Marcio Oicram.

Quadrinhos

A marca em ambas as artes, de “Convertendo texto em ilustração”,é de um site derivado meu, focado em ilustração para livros:. http://convertendo-texto-em-ilustracao.webnode.com/

Bem, apesar dos pesares, minha paixão pelos quadrinhos parece interminável, mesmo com tantas pessoas, com o passar dos anos, me dizendo pra parar com isso, que não dá em nada, e que já estou “muito velho,pra isso!”( aquela velha percepção arcaica que quadrinho é pra criança…mesmo com todo o “BOOM” dessa arte em inúmeras mídias, cinema, tv…até adaptação de livros, virou! ), tem gente que não se moderniza e não enxerga, a realidade de algums coisas e prefere viver nos tradicionalismos regionais, bem, já me desprendi disso há tempos, e não consigo me imaginar, sem eles, acho que envelhecerei fazendo meus “gibizinhos”, lendo-os bastante, enquanto outros preferem seguir os padrões sociais impostos e fazer coisas que não lhe dão prazer, mas o que importa mesmo é o retorno financeiro, e status, e isso, infelizmente é o que conta, no meio em que vivemos, não pra mim, e ainda bem que não sou o único, apesar de sermos poucos, acredito que continuamos crescendo…